fevereiro 04 2019 4Comentários
talismã-runico-joalheria-alternativa

“A ORIGEM” 2º Temporada

talismã-runico-joalheria-alternativa

Então como compreender um Talismã Rúnico. Aos Olhos Pré-Cristãos, a Terra e todas as coisas criadas eram vivas. Gravetos e Pedras eram utilizados na adivinhação Rúnica, pois, como objetos naturais, corporificavam poderes sagrados. Os Símbolos Rúnicos eram inscritos em pedaços de madeira, gravados no Metal ou riscados no couro, sendo depois manchados com pigmentos em que o sangue humano às vezes era misturado, a fim de intensificar-se a potência da encantação. Vejam que o Amuleto se transformava em Talismã!

talismã-runico-joalheria-alternativa

A Origem Histórica das Runas,

As famosas Runas na verdade são um alfabeto. Os símbolos constituem os instrumentos linguísticos dos dialetos anglo-saxônicos e escandinavos e passaram a ser associados ao esoterismo da mesma forma que o alfabeto hebreu passou a ser usado na Cabalah.

Foram atribuídos sentidos ocultos e cada letra representa forças naturais que, de alguma forma, influenciam o nosso mundo. Etimologicamente, a palavra Runas vem do germânico ‘runo’, que significa secreto. Daí tem-se a atribuição do vocábulo a este alfabeto, uma vez que o mesmo constitui um segredo dos deuses.

talismã-runico-joalheria-alternativa

Os Árias, um grupo que partiu das planícies persas e atravessou a Ásia até chegar à Europa, se miscigenaram com as tribos primitivas que habitavam o continente europeu. Com o passar do tempo, foram perdendo o caráter nômade e se fixando em aldeias. Assim, naturalmente foram se dedicando à criação de animais e a agricultura de subsistência, além de desenvolver o seu próprio alfabeto.

Muitos pesquisadores apontam que, apesar do alfabeto fenício ser considerado como o primeiro da história da humanidade, não é possível afirmar com precisão que o rúnico tenha aparecido depois. Enquanto os fenícios, por conta de se desenvolveram junto às rotas comerciais, acabaram impondo mais facilmente o seu sistema de escrita, o alfabeto rúnico só sobreviveu graças ao fato de permanecer ligado a divindades e ser tido como um conjunto de amuletos, esse último usado essencialmente pelos vikings. As últimas inscrições rúnicas datam de cerca do século I d.C., sendo que com a ascensão do cristianismo, o alfabeto romano, por volta do século VI a IX, acabou substituindo-o.
Além do fato de outros alfabetos se imporem ao rúnico, ele não é tão simples e claro. Cada letra é um símbolo sagrado e possui o seu respectivo significado – leis e forças do mundo espiritual e entidades, sendo que estes últimos eram representados na forma de deuses.

talismã-runico-joalheria-alternativa

Na teoria Esotérica de correntes ocultistas alemãs (Guido Von List e Friedrich Bernard Marly), as RUNAS são códigos cósmicos do povo teutônico, formuladas e utilizadas por uma poderosa cultura anti-diluviana desaparecida, associada às lendas sobre Atlântida, Thule e Hiperbórea. Do ponto de vista esotérico, então, as RUNAS consistem numa “metalinguagem”, ou seja, num sistema simbólico complexo que permitem a transmissão de outros significados normalmente expressos por uma língua. São como poesia antiga, usadas para preservar e transmitir conhecimentos místicos.

talismã-runico-joalheria-alternativa

O primeiro sistema rúnico conhecido é o alfabeto Futhark (chamado Futhark Antigo), composto de 24 RUNAS, divididas em três famílias de oito, e supõe-se que seu surgimento tenha ocorrido em torno de 200 a.C. As RUNAS também eram utilizadas no lugar dos números nos antigos calendários escandinavos, chamados clog almanaks ou runestocks.
O sistema rúnico sofreu grandes variações entre os séculos VII e o XV, adotando outros nomes e sons ( Futhark Novo, Futhork anglo-saxão, alfabeto de Northum). Entre 1050 e 1450 surgiram as chamadas RUNAS Medievais, cuja modificação posteriormente, levou à criação do alfabeto gótico, utilizado até o século XVIII, principalmente em cartas e manuscritos de conteúdo tanto religioso quanto profano.

Origem mitológica das Runas

Dentro da perspectiva mitológica, o surgimento das RUNAS é atribuído a Odinn (Odin), a divindade máxima do panteão germânico. Ele era um xamã, entre outras coisas e como tal, se submeteu a uma experiência de “retorno da morte”, por assim dizer, para alcançar o que podemos chamar de “iluminação”. Segundo consta, durante nove dias e nove noites, sem ninguém para lhe dar água ou comida, Odinn ficou pendurado em Yggdrasill, ferido pela própria lança, até ingressar numa dimensão além do mundo dos mortos e retornar, vitorioso, com o conhecimento necessário para a confecção e manipulação das RUNAS.

talismã-runico-joalheria-alternativa

 

De lá para cá, os herdeiros de Odinn têm constantemente associado as RUNAS aos processos oraculares, às práticas talismânicas e à manipulação de forças naturais e sobrenaturais para um propósito definido pelo iniciado.

Porém não se conhecem os métodos antigos para “jogar” as RUNAS. Os Vikings, últimos pagãos germânicos a fazerem uso das mesmas como oráculo adivinhatório, usavam apenas 16 sinais, em dois sistemas básicos (com inúmeras variantes): o Rama Longa (Dinamarquês) e o Rama curta (Sueco e Norueguês). Não há provas de que os Vikings continuaram utilizando os 24 sinais do Antigo Futhark para adivinhação, apesar de ser mencionado tal possibilidade em inúmeros livros esotéricos que tratam do assunto.
Esse sistema criado por estes autores modernos foi baseado nas cartas do Tarot, criando-se para essa equivalência a RUNA DE ODINN  e a RUNA em branco, que eram inexistentes nos alfabetos dos antigos germânicos.

4 comentários

  1. É um universo muito rico!
    Deve ser relido varias vezes, para tentar entender um pouco dessa belíssima arte. Adorei. Muito obrigada.

    Responder
    1. Olá Maria de Fátima!!!!! Muito obrigada por seu contato.Que bom que você gostou de nossa informação!!!Fazemos nosso trabalho com muita dedicação com a intenção de cada vez mais difundir a Simbologia e Geometria Sagrada!!!Nós é que agradecemos sua mensagem!!!!Continue nos seguindo,pois vem muita coisa boa por aí!!!!!

      Responder
  2. Não entendi como usar o alfabeto.
    Será que poderiam me ajudar?
    Beijos

    Responder
    1. Maria de Fátima Para receber a tabela você tem que fazer um cadastro que aparece na janela amarela quando abre o Site e você recebe a tabela pelo seu e-mail.Essa tabela está relacionando a letra do Alfabeto para a Runa.Assim você monta o nome que quiser.Caso necessite de alguma explicação detalhada por favor nos adicione no Watts 11999664546 e te ajudaremos.

      Responder

Deixe seu comentário