julho 03 2018 0Comentário

JOGOS – O LADO MÍSTICO DO FUTEBOL (Parte 4)

Por tais razões continuam a ser praticados, e novos jogos continuam a ser
inventados. Porque os jogos apresentam os mais variados aspectos segundo
as necessidades de cada época. Cirlot, em seu Dicionário de Símbolos,
também afirma que os jogos não são apenas passatempos. Explica que eles
podem ser iniciáticos, didáticos, miméticos, competitivos. E comenta que "o
sucesso, nas últimas décadas, dos jogos eletrônicos, anuncia o advento de
uma nova forma de inteligência mais apta a compreender as proezas da
tecnologia que as finuras da retórica. Os jogos predominantes numa época
simbolizam os seus interesses principais. Exemplo: o monopólio, os jogos
de negócio e de bolsa de valores, o Master Mind, o cubo de Rubik, etc.
Refletem seu tempo: anunciam a era eletrônica e telemática, matemática,

mecânica e robótica". São arautos dos deuses de um futuro que já encosta
no presente. Continuam a esconder sabedorias que vão além das simples
aparências. Servem ainda para transmitir ensinamentos, para desenvolver o
poder de reflexão da mente, e para ensinar que o jogo da vida do homem
está indissoluvelmente ligado ao jogo da existência do mundo.

Deixe seu comentário