Categoria: 2016

A origem dos anéis de compromisso

O anel nupcial foi introduzido no Século Dois, representando a fidelidade numa união. É o sinal de uma aliança ou voto. O anel era um presente tradicional na antiga Roma, símbolo do ciclo da vida e da eternidade era o símbolo do juramento público entre um homem e uma mulher. A lenda conta que a […]

Anéis de junco

Assim como os anéis de diamante simbolizavam o amor eterno, um anel de junco simbolizava a união efêmera, o amor passageiro, uma ligação a ser rompida quando um dos parceiros ou ambos assim o desejassem.

A Rainha e a Serpente

Com centenas de jóias a escolher para seu anel de compromisso com o Príncipe Albert, a rainha Victoria da Inglaterra escolheu um anel de serpente, que se tornou o símbolo favorito do século XIX. As serpentes, movendo-se em círculos, simbolizavam a eternidade.

O Desenho da Joalheria

O século XIX trouxe grandes mudanças no desenho da joalheria. Com as mulheres reclamando o direito ao voto, à educação e à liberdade, a joalheria, correspondendo a esse espírito, tornou-se vasta, arrojada e atrevida. O livre pensamento romântico e a Art Noveau trouxeram de volta ao desenho a delicadeza flexível que havia sido perdida.

A Platina no Engaste do Anel

A platina foi universalmente adotada por volta de 1900. Tem sido apelidada de “o metal do céu” pela brilhante brancura inoxidável, pela durabilidade e resistência, permitindo ao joalheiro reduzir significativamente o engaste do anel.

O Surgimento do Anel

O anel é uma joia muito antiga, constituído de um aro de metal ou outro material, usado em várias civilizações com significados variados. Na China, simboliza o ciclo indefinido do que não tem início nem fim. Na Grécia antiga era usado como selo ou sinete, com a forma de aros de ouro com pedras gravadas.

O Aro com Pedra

O aro com pedra é uma invenção oriental que só se divulgou na Grécia e depois em Roma por volta do século VI A.C., sendo que as pedras mais usadas eram ônix, jaspe, ametista e cornalina. E o aro era, na época, de ouro, ferro, âmbar ou marfim.

O Anel como Divisor de Classes Sociais

O aro de ouro usado no quarto dedo da mão esquerda era privilégio dos cavaleiros romanos, o que os diferenciava do povo que usava anéis de ferro ornados de pedrinhas de ágata, cornalinas de cor lisa ou pastilhas de vidro colorido imitando pedras finas ou pedras gravadas.

O Anel e as Estações do Ano

Sabe-se que em Roma, no tempo dos imperadores, usavam-se os anéis conforme a Estação do ano. Os talhados numa única pedra (sardônica, coralina e cristais de rocha) eram acessórios de Verão por serem mais frescos

Poderes das Gemas do Mundo Antigo

Os antigos não sabiam como se originavam as Gemas e por não saberem inventavam histórias para explicar a origem dos belos “Botões” que encontravam. (Em Latim, Gema significa botão ou broto). A Safira, por exemplo, era uma Gota de Amrita, uma bebida dos Deuses que conferia imortalidade. Os Deuses permitiam que a gota se solidificasse […]

Crenças antigas sobre Gemas

“Coloque uma serpente numa jarra com uma Safira e a Víbora morrerá instantaneamente”. “Coloque uma Pedra da Lua na boca e ela refrescará sua memória”. “Beba Vinho num copo de Ametista e você não ficará bêbado”. (A palavra Grega “Ametysth” significa “não intoxica”.)